20 de dezembro de 2012

Gabriela Orlandin solta a língua

Nessa seção, nossos convidados vão soltar a língua e dizer o que acharam sobre os nossos livros.

A primeira convidada da seção Soltando a Língua é a Gabriela Orlandin, dona do Blog Fluffy (http://fluffy.com.br). O blog da Gabi é parceiro das Editoras Biruta e Gaivota (foi um dos nossos primeiros parceiros!), e achamos que convidá-la para resenhar um de nossos livros seria uma boa maneira de começar essa coluna.

A Gabi tem 22 anos e está se formando em Design Gráfico. Ela sempre gostou de ler, mas foi há uns cinco anos que se apaixonou pra valer e daí não largou mais os livros, tanto que criou um blog para falar disso.

A resenha da nossa convidada será sobre o livro A Bailarina Fantasma, da Socorro Acioli.

Vamos ver o que a Gabi achou do livro?

Sabe aquele livro que você não consegue largar até chegar à última página? É este. Eu li em dois dias (mas poderia ter feito em apenas um) e, quando faltava pouco para terminar, fiquei até mais de 3h da madrugada acordada, porque simplesmente não conseguiria dormir sem descobrir o que aconteceu. A escrita de Socorro Acioli é assim mesmo: você não consegue parar de ler.

A narrativa começa em terceira pessoa, focando na vida de Anabela e seu pai – que moram em um lugar sossegado e tranquilo de Fortaleza – e, no decorrer dos capítulos, outros personagens entram em cena, falando em primeira pessoa. Essa mudança de voz tornou o livro mais envolvente, pois nos proporcionou ver a dimensão dos acontecimentos por outro ângulo.

“Uma foto na parede, uma figura colada na porta de um armário, a xícara pintada à mão com o nome da tia querida, tudo permanecia na pequena casinha azul, com telhado vermelho e fachada estreita onde cabiam somente uma porta, uma janela e, lá dentro, todos os sonhos do mundo.” página 20

O pai de Anabela é um arquiteto que conhece tudo sobre o Theatro José de Alencar, e por isso foi escolhido para supervisionar a restauração do local. Até aí, tudo certo. Mas as coisas estranhas começam a acontecer a partir do momento em que a menina dá de cara com a fantasma do teatro. Essa fantasma precisa contar uma história, e precisa de ajuda para solucionar um mistério que está esperando para ser desvendado. Só que ninguém, até então, tinha coragem de ficar em sua presença.

GBE10.0502A

 

 

 

 

 

 

 

O livro é mágico! Embarcamos, junto com Anabela, em uma viagem ao passado do teatro, lá pelos anos de 1910, onde tudo começou. Presenciamos apresentações de piano e balé, a primeira escola de dança do local, e os amores impossíveis que aconteceram na época e podem ainda deixar rastros. Não é apenas uma história sobre uma fantasma perdida, é uma vida de recordações deixadas no passado, mas que ainda têm o poder de mudar todo o presente.

Como de praxe, a diagramação do livro é impecável. Além de ter grandes aberturas de capítulos, esse livro conta com belíssimas fotos do Theatro José de Alencar, que é onde toda a história acontece. Fiquei louca de vontade de visitar o teatro depois de ler essa história, assim como me interessei pelo balé Quebra-Nozes, muito citado e muito forte na história. Então, não é só mais um livro: ele realmente te leva para um mundo diferente do seu, e isso é muito bacana!

Socorro Acioli foi genial ao compor todas as peças dessa história. A personagem principal é um pouco infantil às vezes e faltou profundidade em algumas partes da história, mas fui incapaz de tirar uma estrela por causa disso. Eu procuro enxergar a classificação pelo contexto geral e, deste modo, pra mim, é uma história perfeita. Adorei lê-la e tenho certeza que nunca vou esquecer dos dias que “passei” no teatro. Gostei tanto que não posso não indicá-lo pra vocês.

E aí, quem ficou com vontade de ler o livro?

Imagem1

Compartilhe ...

E deixe seu comentário!

3 respostas para “Gabriela Orlandin solta a língua”

  1. Esse tá na minha lista de melhores livros que li esse ano, é maravilhoso bem como a Gabi disse a gente não consegue largar até ler a última frase do livro.
    Beijão

  2. socorroacioli disse:

    Gabi, fiquei muito contente com sua resenha. Essa mudança da voz narrativa, a polifonia, é algo que só um bom e experiente leitor consegue gostar e tirar proveito – exatamente como você falou, vendo os diferentes ângulos da estória.
    Pois te conto que estou escrevendo a continuação e curtindo muito! Logo, logo teremos notícias. Um beijão e muito obrigada! Vou visitar o seu blog, já fiquei sua fã!

    • Gabi disse:

      Socorro, obrigada por ter escrito uma história tão linda! Estou ainda apaixonada pelos personagens *-*
      Continuação? Uau, pois eu quero ser uma das primeiras leitoras! o/
      Beijão pra você também!

Deixe uma resposta

Desenvolvido por Miguel Medeiros