24 de abril de 2014

Primavera saindo do forno…

Viajamos até o interior da Estônia para contar a todos os leitores birutas as aventuras dos alunos de um colégio estoniano paroquial.

primavera

Essa história começa com o primeiro dia de aula de Arno na escola, em que ele conhece Toots, um aluno de cabelos loiros, rosto bexiguento, nariz um pouco torto para o lado direito e que gosta de aprontar com os colegas. Logo na primeira aula, Arno descobre que Toots lia várias histórias de índios e sabia muitas coisas sobre um tal de “Leão do Kentucky”. Mas, o garoto mal sabia escrever uma letra do alfabeto russo e não entendia nada sobre Matemática.

Na hora do intervalo, Arno começou a observar seus demais colegas e a agitação colorida fazia sua cabeça girar: as meninas estavam sempre juntas, alguns meninos se reuniam em volta de um garoto que se orgulhava de ter uma caneta moderna, outro que andava sozinho, sempre com alguma comida na mão, enquanto um terceiro garoto era elogiado por “meter medo” com suas histórias impressionantes. Mas, de todas as crianças daquela escola, Teele era a que mais chamava a atenção de Arno, com seu rosto corado e seus cabelos esbranquiçados.

primavera 2

Enquanto aguardam a chegada da Primavera, essas crianças viverão situações inusitadas entre as aulas de matemática e as perseguições de um sacristão rabugento, contra quem aprontam inúmeras travessuras.

O livro traz aspectos da cultura estoniana e das influências herdadas da cultura russa, como o estilo de vida camponês, no início do século XX. A linguagem coloquial, os diálogos envolventes e as confusões das crianças fazem qualquer leitor se identificar com personagens. E é sempre enriquecedor conhecer culturas diferentes da nossa, não é? As ilustrações dão o toque final, transmitindo o aspecto rural da narrativa.

Primavera promete cativar todos os leitores!

Compartilhe ...

E deixe seu comentário!

2 respostas para “Primavera saindo do forno…”

  1. disse:

    Que demais, essas ilustrações são muy lindas!

Deixe uma resposta

Desenvolvido por Miguel Medeiros