24 de julho de 2014

Papeando com Jorge, o dono do chapéu de três pontas

Para comemorar o Dia do Escritor, comemorado dia 25 de Julho, decidimos iniciar uma nova fase do Papeando: entrevista com os personagens.

E, nosso primeiro entrevistado é o Jorge, dono do chapéu de três pontas e principal personagem do livro  Quem pegou uma ponta do meu chapéu de três pontas que agora só tem duas?, escrito pelo autor Cesar Cardoso.

Pedimos uma ajudinha para o Cesar, que teve a boa vontade de ir até a casa do Jorge pra entregar as perguntas e esperar pelas respostas. Vamos ver como ficou?

 

Jorge, com que idade você aprendeu a falar o cachorrês?

Eu ganhei o meu cachorro, o Alfabeto, quando eu tinha três anos e ele logo começou a me ensinar o cachorrês. Quer dizer, eu sou bilíngue (falo duas línguas) desde os três anos! Estou querendo aprender mais uma língua. Uma professora da escola disse que eu devia aprender o inglês, mas eu estou querendo mesmo é aprender a falar rinocerontês, que é a língua que os rinocerontes falam.

Qual foi a aventura mais maluca que você e o Alfabeto já viveram juntos, sem contar a do chapéu de três pontas?

Nós já vivemos várias aventuras juntos. Uma vez o Alfabeto achou o mapa de um tesouro e nós fomos procurar numa ilha lá perto de onde eu moro. Bom, como o mapa era de um tesouro para cachorros, o tal tesouro eram vários ossos. Mas o pior é que os ossos todos se juntaram, ganharam vida, viraram um enorme esqueleto de tigre e esse esqueleto saiu correndo atrás da gente. A gente foi caçar um tesouro e de repente era o tesouro que estava caçando a gente!

Falando nele, quando foi que você o ganhou?

Eu ganhei o Chapéu de Três Pontas num sábado. Eu me lembro que era dia 3 de outubro porque os meus pais me deram o chapéu de presente e me disseram que o dia 3 de outubro era o Dia Mundial do Chapéu. Que no dia 3 de outubro de 1500 antes de Cristo foi inventado e usado o primeiro chapéu. E quem usou foi um faraó, para não pegar chuva na inauguração da sua pirâmide.

Quais são as cores das outras pontas do seu chapéu de três pontas?

O chapéu tem três pontas, cada uma de uma cor: uma vermelha, uma amarela e uma azul.

Com qual dos personagens do livro do Cesar Cardoso você mais se identificou?

Ah, eu me identifico com o meu personagem mesmo. Ele é igualzinho a mim.

E qual foi o que você menos gostou de conhecer?

Foi a encrenqueira da Dona Baratinha.

Gostaria de continuar detetivando outros mistérios com a Dona Chica-cá e a Sambalelê?

Com certeza. Eu até já mandei um e-mail pra Dona Chica-cá e pra Sambalelê pedindo para elas me avisarem quando tiverem outras investigações e pedindo também para ser auxiliar delas nas investigações que elas fizerem. Estou aguardando.

Qual é o seu palpite sobre o nome da Dona Chica-cá?

Eu não tenho nenhum palpite ainda. Mas o Alfabeto tem. Ele acha que o nome dela é Chi Cacá. E que esse primeiro nome – Chi – é porque ela é neta de chineses.

Soube de mais alguma briga entre o cravo e a rosa?

Soube sim. Eu soube que eles fizeram as pazes e resolveram fazer uma viagem para comemorar que agora estava tudo bem. Mas cada um queria ir pra um lugar diferente e eles já começaram a brigar de novo. São muito brigões aqueles dois!

ilustrafinalbiruta

E o Seu Galholfo? Já está lidando melhor com o miado do gato?

Está sim. Muito melhor. Eu soube até que ele e o gato estão cantando juntos num coral chamado Dó-Ré-Miau.

Tem mais aventuras vindo por aí, Jorge?

Eu tenho muitas aventuras. Resta saber se o Cesar Cardoso vai se animar a contar essas aventuras todas, colocá-las no papel para elas virarem livro. (Não comenta com ele, mas me disseram que ele é meio preguiçoso pra escrever.)

 

 

E aí, gostaram de papear com o Jorge?

Gostaria de ver algum personagem especial papeando por aqui? Mande sua sugestão para o e-mail blog@blogbirutagaivota.com.br.

Compartilhe ...

E deixe seu comentário!

Uma resposta para “Papeando com Jorge, o dono do chapéu de três pontas”

  1. André Luiz disse:

    Adorei essa ideia de entrevistar personagens e gostei muito de conhecer o Jorge!

    Abraço*

Deixe uma resposta

Desenvolvido por Miguel Medeiros