5 de maio de 2014

Papeando com Flávia Côrtes

Hoje é dia de papear aqui no Blog Biruta Gaivota! A nossa convidada é a autora Flávia Côrtes que, pela Biruta, publicou o livro Pra voar mais alto.

A Flávia é carioca e mãe de duas filhas. Ela se formou em Literatura na Universidade Federal do Rio de Janeiro e especializou-se em Literatura Infantil e Juvenil. Além de escritora, a Flávia é tradutora também. Vamos conhecê-la um pouco mais?

1310740663flavia_cortes

Quem é Flávia Côrtes?

É ainda aquela menininha que aprendeu a ler antes de todo mundo e ficava no cantinho da sala, lendo e inventando histórias.

O melhor lugar para o surgimento de riscos e rabiscos é…?

Meu quarto, meu escritório, ou qualquer outro lugar em meio à natureza.

O melhor amigo criado por você?

Meus personagens costumam ser tão reais que até sonho com eles. Se eu fosse escolher o melhor amigo, escolheria o menino dos porquês, que é ainda mais curioso do que eu.

Uma viagem inesquecível seria nas páginas de qual livro?

 Reinações de Narizinho, de Monteiro Lobato. O primeiro livro que me levou para outro mundo e me fez perceber até onde a leitura podia me levar.

Qual é seu companheiro favorito de aventuras?

Para as aventuras reais, minhas filhas e meu marido. Para as inventadas, cadernos e blocos com capas que me apaixonam.

Já mencionei que sou louca por cadernos e blocos? Tenho uma porção deles.

Escrever um livro é…

Inventar, dar asas à imaginação, mudar, rabiscar, rabiscar mais um pouco, mudar de novo, mexer um pouquinho aqui e ali, jogar muita coisa fora e começar tudo outra vez.

Não é divertido?

Se não inventasse mundos e personagens, o que Flávia faria?

Essa Flávia não existe. Invento mundos e personagens desde sempre. Nas minhas lembranças mais antigas eu já vivia pensando em histórias. Mas se não escrevesse profissionalmente, trabalharia em qualquer outra coisa que envolvesse livros.

Por que livros para os pequeninos e jovens?

Porque são os leitores mais críticos e desafiantes que existem. E, para dizer a verdade… acho que eu ainda não cresci.

Onde fica/o que você faz quando busca inspiração?

Procuro ir a locais ou fazer coisas que me dão prazer, como ouvir uma boa música, acender um incenso, me embrenhar na mata, pisar descalça na areia da praia, ler um bom livro, ver um bom filme…

A melhor página em branco é…

A que estiver ao meu alcance. Página em branco é para ser preenchida, mesmo que seja só com uma ideia. Já usei até guardanapo.

pra voar mais alto

Compartilhe ...

E deixe seu comentário!

Deixe uma resposta

Desenvolvido por Miguel Medeiros