11 de fevereiro de 2013

Conheçam o nosso Autor da Vez!

Depois de um mês recebendo histórias, o Blog Biruta Gaivota finalmente escolheu a continuação mais criativa para o texto da Ana Cristina Massa. Querem saber quem é o vencedor?
Parabéns à Samantha Culceag! Entraremos em contato por e-mail a respeito do seu prêmio.
Confiram agora a história da Samantha, e como ela deu um jeitinho no problema de Antônia!

Um pedido indesejado

“Quero que esse dia acabe logo, rápido. Está tudo muito esquisito. Na hora do recreio, eu estava de papo com a Julia, o Marquinho e a Laura na quadra da escola. Perguntei para a Julia se ela queria ir para minha casa, depois da aula. Aí a gente almoçaria e depois estudaríamos química. Minhas notas estão péssimas em química, e Julia é muito boa, só tira nove, dez. A prova é semana que vem. Julia respondeu que não, tinha que sair com a mãe naquela tarde. Mas eu escutei mais do que Julia falou. Escutei ela dizer: “Ahh não, combinei de ir ao cinema com Daniel… Preciso inventar uma desculpa…”
Eu não entendi nada:
– Julia, vai sair com a sua mãe ou com Daniel?
Julia ficou branca e respondeu nervosa:
– Com a minha mãe!
Mas eu escutei ainda mais. Eu não podia acreditar! Eu ouvi os pensamentos dela. E ela pensou assim:
“Como a Antonia leu meus pensamentos? Ela lê pensamentos!”
Foi assim que eu descobri que conseguia saber o que algumas pessoas pensavam! E agora?”

“Mas não parou por aí. De tarde, quando cheguei em casa e minha mãe estava fazendo o jantar, ouvi ela pensando:
“O aniversário da Antonia é semana que vem, o que dou a ela?”
Fiquei parada com a mão na maçaneta, olhando pra minha mãe. Que chato, eu sempre adoro surpresas de aniversário, esse ano ia ser sem graça, iria saber todos os pensamentos de mamãe!
-Tudo bem com você? – agora ela estava falando comigo.
-Ah, é claro! – bati a porta e corri para o meu quarto, o que eu faria, não queria ler pensamentos de ninguém! Tentei esquecer.
No dia seguinte, minha mãe disse que ia à feira, perguntou se eu queria ir com ela, eu fiz sim com a cabeça. Me arrependi da resposta, quando cheguei na feira, ouvi imediatamente uma enorme algazarra, era dentro da minha cabeça, os pensamentos das pessoas eram muitos, desde “Que patrão chato”, até “Que uvas feias!” era todo tipo de pensamento. Tapei os ouvidos em um gesto inútil, minha mãe perguntou se eu estava bem, eu disse que não, estava com dor de cabeça. Ela fez a feira rapidamente e voltamos para casa.
Eu não podia continuar assim, meu cérebro iria explodir, tinha que contar para alguém o meu problema. Pensei na Júlia, era com ela que tudo tinha começado a acontecer. De tarde fui a sua casa.
-Oi Antonia, entra. – ela disse.
-Oi, estou com um grande problema, sabe ontem quando eu li seus pensamentos? Está acontecendo direto, as pessoas pensam e eu escuto na minha cabeça! Quero parar com isso!
-Deve ser legal para você, tipo, saber os segredos de todo mundo e o que vai ganhar de aniversário.
-Legal? Hoje de manhã fui à feira e minha cabeça estava péssima!
-Desculpe, mas eu não sei como te ajudar!
-Sei disso, mas pelo menos desabafei, obrigada.
Fui para casa e passei o fim da tarde deitada na cama estudando química sozinha, sem a Julia. Quando o meu despertador tocou às seis horas, ouvi um barulho misterioso vindo da despensa. Corri para lá e me deparei com uma estranha criatura, de trinta centímetros, sentada em cima de um queijo. Seus cabelos eram da cor marrom escuro, desgrenhados, seus olhos eram pretos e grandes, ele usava uma bata verde e pensava:
“Que belo queijo! Acho que vou levar um pedaço para casa.”
-Está roubando? – perguntei. Um duende estava roubando da minha casa!
A criaturinha se virou para mim e me fitou com aqueles seus olhos negros. Depois disse:
-Eu estou pegando minha recompensa por um trabalho bem feito!
-Que trabalho? Quem você é?
-Eu sou um duende, Harry, o Duende dos Aniversários. Quando alguém faz um pedido de aniversário, e esse pedido não se realiza depois de cinco anos ou mais, eu venho até a casa da pessoa e faço o pedido se realizar. Quando pequena, você pediu pra ler pensamentos, agora eu estou de volta realizando o seu pedido!
-Não, mas eu não quero ler pensamentos!
-O único jeito de quebrar um feitiço de um Duende do Aniversário, é que no seu próximo aniversário você peça o contrário, então espere cinco anos e eu tiro seu feitiço!
-Tira o feitiço agora, por favor, eu não quero ler pensamentos!
Harry parecia triste.
-Meu trabalho sempre foi visto como uma coisa boa, eu nunca imaginei que uma pessoa poderia ficar chateada com ele!
-Olha Harry, eu não quis ofender ninguém, mas as pessoas, quando são pequenas, pedem uma coisa, e quando crescem não desejam mais aquilo pois estão com outros gostos. Entende?
-O que quer dizer?
-Cinco anos é muito tempo, as pessoas mudam.
-E se eu diminuísse para dois anos, seria melhor?
-Seria, mas eu acho mais prudente você ver se pessoa quer aquilo mesmo. No meu caso, não quero ler pensamentos!
O duende sorriu.
-Entendi, muito obrigado, mas agora tenho que ir, até mais!
-Espere! Desfaça o meu feitiço!
-No seu aniversário, o feitiço será desfeito, e você será outra vez como todos.
Dito isso, o duende desapareceu.
Uma semana demorou pra caramba, eu sabia que ia ganhar um vestido bem fofo e que teria uma festa que deveria ser surpresa. Quando o grande dia finalmente chegou, enquanto estava dançando com a Julia e com a Laura, vi entre algumas folhas Harry rindo e comendo um queijo parmesão. Nem havia reparado que não ouvia mais pensamentos. Desde aquele dia eu sempre tomei cuidado com o que pedia.

Compartilhe ...

E deixe seu comentário!

3 respostas para “Conheçam o nosso Autor da Vez!”

  1. Adorei ter participado e visto minha história aqui! Aguardo o seu e-mail.
    Beijos… Samantha

  2. Quanta criatividade, adorei o texto,
    Vitória mais que merecida Samantha. Parabéns.

Deixe uma resposta

Desenvolvido por Miguel Medeiros